quarta-feira, 30 de março de 2016

Bullying e sexualidade excessiva na sociedade

Pode parecer estranho para toda uma geração, mas nem sempre existiu a internet. Houve um tempo em que era impossível ter acesso ao mundo em tempo real e ainda participar dele opinando e recebendo feedback.

Hoje passamos o dia conectados e, sem perceber, acabamos expostos a todo o tipo de assunto. Sabemos em tempo real o que está acontecendo no mundo todo, mas talvez não saibamos o que acontece com nossos vizinhos.

Pode parecer nostalgia, coisa de velho, mas essa facilidade está trazendo malefícios à sociedade. Quando eu era uma criança, não havia bullying, ou, pelo menos, não era chamado assim. Crianças tinham apelidos, faziam brincadeiras cruéis, até mesmo violentas, mas a coisa se encerrava como havia começado. Como brincadeira.

Hoje tudo está online. Aquele apelido da escola pode ser visto pelo seu primo que mora a 500 quilômetros de você. Você muda o status para namorando e a vida de várias pessoas é transformada em questão de minutos. Sua vida é pública e você é o grande responsável pois divulga suas informações pessoais o tempo todo.

A sexualidade é ainda mais complicado. Conseguir ver uma foto com uma pessoa nua era uma aventura na minha infância. Uma revista playboy era um tesouro incalculável para um garoto de dez anos, e esconderijos criativos eram necessários para que os pais não a encontrasse e nos punisse.
Hoje há os mecanismos de busca online. Os grupos de compartilhamento, câmeras portáteis e a sexualidade é banalizada na televisão.

Como consequência, muitos jovens já não tem o mesmo interesse por relacionamentos e sexualidade. Ou tem interesse apenas recreativo, casais duram apenas uma noite, casamentos se realizam com data para acabar e novos tipos de relacionamentos como o homossexualismo ganham força pelo fato de trazerem alguma novidade nesse excesso de informações.

Foi com o intuito de discutir esses temas que escrevi o conto "Assexuado". Ele foi criado para um concurso que pedia sangue, mas resolvi que o melhor terror é o psicológico. E nada melhor do que a figura de um jovem criado numa família problemática para falar do tema.

Conheça Josias, veja sua família, seus medos e tente se colocar no lugar dele.

O conto Assexuado pode ser lido de graça no wattpad. Basta clicar no link: http://w.tt/1MSyomA

Comentários e votos são bem aceitos, tanto aqui no blog, quanto no wattpad. 

Divirta-se!  

terça-feira, 8 de março de 2016

Entrecontos disponibiliza contos do concurso "Fantasia"


Foi divulgada a lista com os contos participantes do concurso fantasia promovido pelo blog entrecontos www.entrecontos.com
São quarenta e oito obras dos mais diversos escritores trazendo as suas interpretações para este que é o ramo da literatura que mais cresce no Brasil.

Como comentado anteriormente, os contos são apresentados através de pseudônimos para que o julgamento seja imparcial, afinal, os próprios contistas comentarão obras de outros autores.
Os contos foram separados em quatro grupos e cada autor deverá avaliar as obras do grupo subsequente ao seu. 
se quiser entender melhor as regras, basta checar as regras aqui: http://entrecontos.com/2016/03/05/fantasia-avaliacao-1a-fase/

Estamos participando do concurso, mas, por motivos de ética, só divulgaremos com qual conto quando os resultados estiverem disponíveis.

Boa leitura!

quarta-feira, 2 de março de 2016

Resenha - Patrulheiros da meia noite de Fabiana Rocha de Morais

Antes de começar esta resenha, gostaria de falar um pouco sobre o serviço de auto-publicação da Amazon através do qual a obra foi lançada.

A ferramenta disponibilizada permite a muitos escritores desconhecidos, iniciantes ou rejeitados pelas editoras tradicionais que publiquem os seus livros em formato digital e efetue a venda a quem desejar comprá-los.

Apesar de toda essa facilidade, precisamos ter em conta que a profissão de escritor é uma coisa séria, não um hobby e que a partir do momento que eu me sinto no direito de cobrar por um produto, devo entregar algo de qualidade.

Toda essa explicação é necessária para que entendamos que "Patrulheiros da meia noite" não é um livro pronto e, portanto, não deveria ter sido colocado à venda.

Os problemas começam quando você abre o e-book e descobre que todo o texto está escrito em letras maiúsculas. Poderia ser uma escolha de estilo, mas os seguidos erros de português vem em seguida para nos mostrar que essa obra não passou por nenhum tipo de revisão, seja profissional ou amadora.
Tempos verbais incorretos, falta de coesão e coerência se somam às minhas reclamações.

Ah, mas é uma história para crianças!, diriam alguns. Mesmo assim não se justifica tamanha falta de preparo que me fez imaginar que a autora fosse uma criança. Acredito que não seja, pois ao pesquisar pela internet, encontrei mais quatro obras assinadas por ela. E mesmo se fosse escrito por uma criança, deveria ter sido revisado por um adulto antes de ser publicado.

A história em si é a única parte que trouxe algum interesse. Os personagens são monstros conhecidos em versões infantis e a ideia era a de passar alguns valores morais através dos problemas com que eles se deparam. Temas como amizade, altruísmo e preconceito são parte da história.
Poderia vir a ser uma obra razoável se fosse possível lê-la, o que, infelizmente não o é...

Para minha sorte, essa obra foi adquirida numa promoção e não paguei nada por ela, ou teria me arrependido amargamente.

Fica com uma estrela de cinco apenas pela intenção.