quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Crônica - Engolir sapo ou cuspir marimbondo?

É fim de ano. Época de juntar a família e os amigos em perfeita harmonia.

Todos recebem ótimos presentes e saboreiam as melhores refeições para depois voltarem às suas casas felizes e cheios de esperança.
Funciona muito bem nas propagandas de panetone e perfume tão comuns nessa época, pena que na vida real seja um pouquinho diferente.

Pessoas tem sentimentos, ansiedades, angústias, rancores. E todos eles parecem ficar latentes no natal e no ano novo.
Cada um quer as coisas do seu jeito e começa a ficar decepcionado quando vê que não é bem assim, mostrando o seu lado mais egoísta para os outros. 

Nessa hora vem a pergunta que intitula esse texto: Engolir sapos para manter os laços ou cuspir marimbondos para sentir-se aliviado?

Pense na prática social da troca de presentes. Sempre tem alguém que gasta uma fortuna e recebe um par de meias. Ou aquele amigo secreto que parece ter lhe dado o presente que ganhou ano passado e nem se deu ao trabalho de comprar algo. A boa educação nos manda agradecer e ficar calado. 

E quando foi você quem deu o presente e não era o que a pessoa queria? A expressão decepcionada merece uma comentadinha sim, nem que seja um: "se você não gostou pode trocar" só pra ver a pessoa mentindo descaradamente que adorou ganhar uma saladeira. 

Isso dá um alívio, afinal o erro já aconteceu mesmo.

E tem também aquelas visitas que você faz ou recebe. Pessoas que não vê há muito tempo e que se esforçam para se encontrar, embora sempre tenha alguém que não sabe reconhecer. Fica chorando por quem não veio, reclamando que você vem pouco ou vai embora logo.
A esses resta engolir o sapo e resignar-se. No fundo eles reclamam porque queriam passar mais tempo com você.

É nessa época que parentes e inimigos precisam compartilhar a mesma mesa. Os ataques verbais são comuns, a maioria, elegantemente ditos na forma de indiretas. A retórica é o tom da discussão.
Até que alguém fica ofendido e começa a cuspir um ninho inteiro de marimbondos deixando o ambiente pesado para a maioria dos inocentes que ali estavam apenas para celebrar.

Bêbados, ausentes, mau humorados, sentimentais, piadistas sem graça. Todos esses personagens se reencontram nessa época para desgraçar as vidas uns dos outros, mas faremos tudo de novo no ano que vem, afinal, todos adoram esse período de festas...

E lá se foi mais um anfíbio goela abaixo.


segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Resenha - Assassinato no Expresso do Oriente - Agatha Christie

Impossível parar de ler.

Estamos falando aqui de um dos grandes clássicos da literatura policial. Um livro que foi escrito pela autora conhecida como dama do crime não poderia ser diferente.

Você começa a ler e a coisa começa meio morna, mas não está ruim, é apenas a montagem do cenário até o crime acontecer e a sua curiosidade começar a aumentar.

O plot aqui é simples e conhecido: Quem é o assassino?

Acompanhamos o detetive Hercule Poirot e todas as suas deduções, investigações, interrogatórios em busca da solução do crime e claro que tentamos adivinhar quem foi, essa é a grande graça desse tipo de trama.

Aqui cabem duas observações bem específicas. Primeiro a história de que a autora costuma não dar todas as pistas para a solução do caso para o leitor. Não sei dizer nas outras obras, mas neste caso, cada pequena pista necessária para a solução está plantada em algum lugar do livro. E nem foi preciso uma leitura tão atenciosa.

O segundo detalhe que gostaria de citar é sobre a única coisa que me incomodou no livro. A enorme quantidade de frases em francês. Sabemos que o detetive é belga, ok. Mas e se ele fosse russo? ou chinês? Chega a ser irritante, principalmente porque tem frases cuja tradução não é óbvia, o que prejudica um pouco a leitura.

Fora esse pequenino detalhe, o livro é perfeito. Tem personagens muito bem caracterizados e um ambiente muito bem descrito. Pode parecer clichê de um trem preso por uma nevasca nos dias de hoje, mas esse livro é bem antigo e clichê foi quem veio depois...

Leitura obrigatória. Leve, rápida, divertida e empolgante.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Flores de Alface (denúncia)

Você sabia que alfaces dão flores?

Pois é. O alface, como a maioria dos vegetais, precisa se reproduzir, por isso eles produzem flores e, mais adiante, sementes, que permitirão a perpetuação da espécie.

Você provavelmente nunca viu uma flor de alface. Isso acontece porque aquele pezinho verdinho que chega à sua mesa é apenas uma planta adolescente. É isso mesmo, o alface que você come é abatido muito antes de atingir sua plenitude.

Veja abaixo como fica a planta adulta.


Agora pense sobre isso: é justo interromper a vida desse vegetal sem a menor cerimônia apenas pra fazer uma saladinha?

Veja mais fotos das flores:



Nós, seres humanos, dotados de tanta inteligência humildade, usamos os recursos da natureza da forma como bem entendemos e não nos preocupamos nem ao menos em mantê-la para o nosso próprio bem.

Esse post não é pra condenar você que come alface, é pra fazer pensar que o problema não está no que consumimos, seja animal, vegetal ou mineral, mas na forma como o fazemos.

Coma mais Bacon! preserve essas pobres alfaces para que elas te deem flores!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Humor - O que Snoopy e Dr. Who tem em comum?

Entendedores entenderão!

Em letras chamamos isso de intertextualidade, mas não vou ficar explicando e acabar com a graça da piada.


segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Resenha - Filhos do fim do mundo de Fabio M. Barreto

Altos e Baixos:

Foram as sensações que se apoderaram do meu ser durante a leitura desse livro. Por vezes me empolgava e não via a hora de saber o que viria depois e por outras, sentia que a leitura se arrastava.

Filhos do fim do mundo é uma ficção em que todas as crianças de até um ano morrem misteriosamente e todas as que nascem, já o fazem mortas. O livro explora as reações humanas a esse "apocalipse"

A primeira impressão que tive é que não estava gostando muito por não ser pai. Eu não me identificava com o repórter porque não conseguia imaginar exatamente o desespero dele em resolver o problema antes que sua mulher grávida desse a luz.

O autor conseguiu me fisgar de volta ao envolver um cão, ser com o qual me identifico muito mais e assim o livro foi, ora agradando, ora nem tanto.

Interessante comentar que o detalhe que parece ter irritado um monte de gente, não me fez diferença. Em "Filhos do fim do mundo" os personagens não tem nome, são identificados por suas profissões ou papel na história. Eu, que gosto de esteriótipos achei legal, podia imaginar cada personagem por alguma imagem que já trazia na memória.

O que me incomodou um pouco mesmo foi a ação. O autor inseriu muitos momentos de adrenalina, com cenas bastante agitadas e violentas, talvez para atrair o público que quer ação, mas eu gostei mais das partes dramáticas, de como cada um se sentia diante do apocalipse.

Outro detalhe que me incomodou um pouco foi o aparente excesso de personagens. Como não haviam nomes, ficava um pouco difícil de entender quem importava e quem era apenas um figurante. Cito a fã como uma personagem que ganha uma visibilidade grande, parecendo que se tornará importante, para, de repente desaparecer da história.

Apesar desses pequenos pontos que me desagradaram, é um livro que eu recomendo a leitura. Barreto explora bem a mesquinheza humana e o comportamento em turbas, mostrou o amor de um casal que já está estabelecido e algumas relações familiares interessantes.

Resumindo é uma obra de altos no drama e baixos na ação, mas me fez passar bons momentos em sua leitura.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Resenha - Quadrinhos - Penadinho - Vida - Paulo Crumbim - Cristina Eiko

Penadinho - Vida é mais uma das ótimas obras publicadas pela Graphic MSP onde autores e desenhistas diversos apresentam personagens clássicos de Maurício de Souza sob uma nova roupagem.

Nem preciso dizer o quanto é perigoso mexer com personagens que fizeram parte da alfabetização de toda uma geração. 

Para nossa sorte o resultado dessa obra é acima da média. Os autores e desenhistas Paulo Crumbim e Cristina Eiko conseguiram fazer uma história interessante tanto para os adultos que compram por saudosismo quanto para uma criança que quer apenas se divertir.

Começando pela primorosa arte. Todos os personagens são reconhecíveis de imediato,e todo o esquema de uso das cores e quadros é nota dez. A arte é para mim que sou leigo, mas presto atenção nos detalhes, está irretocável.

A história não é tão boa quando o desenho, mas isso não a desmerece. É que a arte se destaca mesmo. 
Em Penadinho - Vida, Alminha vai reencarnar e Penadinho percebe que, por achar que tinha toda a eternidade pela frente, não pôde lhe dizer tudo o que sente por ela.
É uma bela mensagem que nos faz perceber um pouco o quanto deixamos para depois a chance de falar aos outros o quanto os amamos.

Acaba sendo um roteiro sem grandes surpresas, embora muito bem costuradinho e emocionante. O vilão também ficou bastante turma da Mônica porque, apesar de suas terríveis intenções, ele não nos assusta por completo, uma característica bastante presente nos gibis da turminha.
Faltou um pouquinho mais de comédia, embora pareça proposital pois os autores parecem ter apostado mais no drama que os personagens viviam do que no humor.

Se você gosta de turna e quer uma leitura leve, boa para espairecer e passar um tempinho gostoso, faça como eu fiz: prepare um cafezinho, sente-se no seu sofá preferido e deleite-se com essa bela história que é Penadinho - Vida.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Podcast - Escriba Café


Outro dia falei sobre um dos meus podcasts favoritos, o Ghost Writer e ainda expliquei um pouco sobre o que seria essa mídia.

Agora quero apresentar outro desses achados que mudam a nossa vida, o Escriba Café.

Idealizado e produzido por Christian Gurtner, o Escriba café é um podcast bem diferente do tradicional. Enquanto a maioria dos outros programas faz uma espécie de "mesa de bar online", o 
Escriba investe na produção de uma história.

Narração de impacto, música e efeitos sonoros cuidadosamente pensados e uma edição primorosa fazem desse o melhor podcast que já ouvi se considerarmos apenas a parte técnica da coisa.

E as histórias? O Escriba Café sempre tem temas interessantíssimos, calçados na realidade. É como se fosse uma espécie de realidade aumentada.

Me lembro até hoje do impacto ao conhecer a história do único sequestro de avião nunca solucionado nos Estados Unidos no episódio sobre D.B.Cooper ou sobre o conde europeu que teria vivido por séculos. 

Tem ainda Jack o estripador ou o assassino do zodíaco se você preferir.

Vale a pena citar ainda o belíssimo trabalho em cada post, com ficha técnica com bibliografia, lista de músicas utilizadas e ainda a transcrição de cada episódio.
Venha você também conhecer o misterioso lugar chamado Lowenttur


Se você tem algum podcast semelhante que gostaria de compartilhar com a gente, deixe seu comentário abaixo.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Literatura - Resenha - Animal Farm (A revolução dos bichos)

Às vezes, as melhores coisas da vida são mesmo as mais simples. 
E é nessa categoria que se encaixa a revolução dos bichos (Animal Farm) de George Orwell.
O autor, que nasceu na Índia nos traz a simples história de um grupo de animais que resolve acabar com as injustiças causadas a eles pelos humanos, tomando para eles o controle da fazenda onde vivem.

O lema que vem na contra capa do livro já diz: "todos os animais são iguais, mas uns são mais iguais do que outros"

É com esse clima que a história, curta e precisa, nos leva a perceber o quanto o poder corrompe quem o tem. A sociedade igualitária dos animais é, nada mais, nada menos, do que um imenso paralelo com sociedade humana.

Aqui cabe uma advertência. Esse livro foi usado durante a guerra fria como propaganda pró capitalismo, pois entendia-se que o sistema que ele critica é o comunismo. Não caia nessa. O sistema criticado é todo aquele que oprime muitos para privilegiar uns poucos. Não perca seu tempo misturando política com essa espetacular obra literária.

A edição que eu li (exatamente essa capa da ilustração) é uma versão em inglês com um pequeno dicionário e uns exercícios no final. É ideal pra quem já tem um bom nível, mas que se aprimorar no idioma. Se você não está nesse grupo, pegue a versão traduzida.

Em suma, é um livro que todo ser humano deveria ler uma vez (ou mais) na vida. Deveria ser usado nas escolas.
É divertido, é simples, é uma lição de vida. 
Leia!

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Desinformadoss - Resenha - Destroços do Passado de Rodrigo Assis Mesquita

Olá fãs de literatura.

A resenha de hoje é sobre outro conto do jovem escritor brasileiro Rodrigo Assis Mesquita.

Como muitos de nós, ele também vem batalhando para mostrar o seu trabalho e este conto foi publicado em formato digital pela Amazon.

Depois de ler outras duas obras do autor, fiquei um pouco surpreso com o conto. Se nos outros ele investiu na veia cômica e nas referências, dessa vez ele buscou o drama e a história, nos contando um pouquinho sobre a vida de duas pessoas.

Não é uma história linear, nem tem um final propriamente dito. Serve como um teaser de uma história mais que poderia vir mais pra frente.

Os personagens são interessantes e nos dá vontade de saber mais sobre eles, assim como o Chico, que não vou contar quem é, mas merecia mais alguns capítulos para ele.

Rodrigo mostrou que pode sim investir no drama sem medo.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Crônica - Ódio e intolerância na internet

No último final de semana recebi a visita de um querido amigo e passamos a madrugada conversando, como fazíamos na juventude. Bons tempos voltam, por que não?

Entre os vários assuntos discutidos, um acabou por tomar grande parte do tempo: Por que as pessoas não toleram uma opinião diferente das suas?

Meu amigo citou alguém que tinha dito que as religiões deveriam ser abolidas, afinal pessoas matam por causa delas e eu lembrei que então o amor deveria ser abolido, já que existem tantos crimes passionais.

E então lembramos como a internet se tornou a disseminadora mor da falta de bom senso coletiva. Se alguém diz que não gosta do PT, isso implica necessariamente que se trata de um PSDBista. A pressuposição acontece como regra, gerando um ódio de proporções bíblicas, ou Torácicas, Corânicas...

Válido notar que eu e meu amigo discutíamos religião na madrugada, sendo que temos crenças bastante distintas, mas isso não importa, só nos ajuda a enxergar a diversidade. Hoje recebi essa tirinha do e compartilho abaixo:


Daí me lembrei do que li no facebook ontem num comentário revoltado de um ser humano, insatisfeito com a reação de piedade de algumas pessoas com a tragédia acontecida em Paris. Ele defendia fervorosamente que a tragédia de Mariana merecia mais destaque, afinal o número de óbitos foi maior e aconteceu em nosso país. Já tem gente querendo escolher de quem as pessoas podem ou não ter piedade.

Se eu gosto de Star Wars não posso gostar de Star Trek. Sim, até na comunidade Nerd existem tribos que criam rivalidades sobre assuntos que poderiam ser complementares. 

A internet se tornou o carro moderno. Quando entramos nela, colocamos o cinto de segurança e nos sentimos numa cúpula protetora, onde podemos ofender, gesticular, desferir fechadas e avançar o sinal, assim como o Pateta motorista.

Meu amigo foi embora, ainda mais caro do que antes, pois são pessoas com opiniões divergentes à minha que me fazem ser um pouco menos medíocre a cada dia. 

Se você não concorda comigo, seja meu amigo e vamos ter logas discussões amigáveis.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Literatura - Podcast - Ghost Writer


Já se completaram três anos desde que eu descobri essa mídia chamada podcast. Ao adquirir um smartphone e ver aquele aplicativo, fiquei curioso e resolvi experimentar pra ver do que se tratava. Na época lembro de ter ouvido um jurasicast e um jovem nerd e daí comecei a investigar a "podosfera" em busca de programas do meu agrado.

Aqui cabe uma explicação do que é um podcast. Muitos amigos me questionam o que é esse negócio que eu tanto ouço. A definição mais fácil para um leigo é que é como um programa de rádio que você baixa e ouve quando quiser. A grande vantagem é que você pode selecionar os assuntos que mais te interessam.

Foi assim que descobri o Ghost Writer. Queria muito um programa sobre literatura e acabei topando com esse no google. Já estava com uns onze programas lançados mas eu gosto de ouvir em ordem cronológica, então adicionei aos tantos outros que ouço e nunca consegui alcançar os caras. Eles já estão no programa 59 e já ouvi todos até o 56. Falta pouco pra alcançar, ficar em dia e então sofrer esperando por novos programas.

Debates sobre livros, listas de indicações, entrevistas com escritores e outros profissionais das letras. Ah, cultura!

O programa é apresentado por Ricardo Herdy e editado por Raphael Modena formando uma dupla que funciona muito bem. Herdy é calmo, sereno e deixa os participantes falarem livremente, apenas guiando o assunto, sem travas exageradas e com uma pitada de bom humor. Modena capricha na edição sempre buscando músicas relevantes e agradáveis para o fundo, além de separar bem os assuntos com virgulas sonoras que soam como páginas viradas de um livro.

E ainda tem a participação bastante comum do escritor Luis Eduardo Matta, uma figura do mundo dos livros, um cara que você simpatiza logo de cara e que tem opiniões relevantes e apaixonadas. Ouça um episódio com ele e entre para o clube do "vou comprar amanhã"

Podcasts são uma forma fácil e gratuita de adquirir cultura ou saber mais sobre assuntos do seu interesse. Nesse mundo tão digital e conectado só não se informa que tem preguiça.

Para conhecer o trabalho dos caras, acesse o site Ghost Writer e divirta-se.

Tem algo a dizer sobre podcasts? que indicar algum outro? deixe seu comentário.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Literatura - resenha - Quatro Heróis e um Bardo contra a Realidade Medieval - Rodrigo Assis Mesquita

Esta é a segunda obra que leio do autor brazuca Rodrigo Assis Mesquita. O outra foi Brasil cyberpunk 2115, cuja resenha você pode ler aqui.

Enquanto o outro é um conto grande ou novela ou mesmo um pequeno livro, aqui temos um conto mesmo, e dos pequenos.

Muito me admira as pessoas que tem preguiça de ler um livro, então leia um conto! Esse aqui não levou nem quinze minutos para ser devorado.

O que chama a atenção são as mesmas características que vi na outra obra: humor, ironia, referências pop, andamento rápido.

Tudo acontece muito naturalmente e quando acaba (e acaba rápido) você dá aquela rizadinha com o lábio do tipo "putz".

Os personagens são interessantes e todos menos um (você vai entender se ler) me deram vontade de ler mais sobre eles.

Enfim, seu eu disser mais alguma coisa, corro o risco de dar um spoiler. Vai lá, aproveita quinze minutos da sua vida para ler alguma coisa.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Bacon - receita - Tudo fica melhor com QUEIJO?

Aqui em casa existia um dilema. Um daqueles obstáculos no casamento que só um amor muito forte supera.
Eu sempre disse que tudo fica melhor com Bacon
Minha mulher acha que tudo fica melhor com Queijo.

Nosso problemas acabaram, veja o vídeo e cuidado para não babar no gadjet!


sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Teoria da conspiração - Bacon dá câncer

Muito se falou nos últimos dias que a carne processada (bacon, salsicha, presunto) podem aumentar as chances de desenvolver câncer.

Indignados com essa falácia, a equipe de investigação do desinformadoss composta por mim, minha cachorrinha e meu amigo imaginário dissecou o google em busca de informações mais coerentes.

Nessa busca acabamos achando os responsáveis por disseminar esse boato por aí. Veja a foto dos meliantes logo abaixo.

E fica a nossa dica. Não acredite em qualquer besteira que você lê nas redes sociais


terça-feira, 27 de outubro de 2015

Literatura - Resenha - Tom Sawyer de Mark Twain

Menino Maluquinho.

Foi essa a primeira impressão que me deu ao começar a ler o livro Tom Sawyer, grande clássico de mais de um século do autor norte-americano Mark Twain.

Vejam, isso não é desqualificar a obra, apenas traçar um paralelo com algo nacional e contemporâneo.

Tom é um menino muito ativo, com uma imaginação muito fértil e extremamente supersticioso. Ele vive aprontando das suas, pregando peças, fugindo da escola e do banho e levando uma boa surra de vez em quando.

Viram só? lembra bastante menino maluquinho.

Minha experiência de leitura não foi a mais prazerosa de todas por causa de um grande problema: a expectativa! Explico; por alguma razão, eu tinha na cabeça que Tom Sawyer fosse um menino de má índole, que vivia a enganar os outros para alcançar seus objetivos. Ele até prega umas peças aqui e acolá, mas é uma criança e age como tal, dentro de uma inocência típica da idade.

Por outro lado, é uma obra que ajuda a conhecer os costumes de uma época bem longínqua, onde o professor podia surrar o aluno em caso de desobediência e a vida era por demais simples. Tem também o lado que pode parecer racista, mas é apenas um retrato de uma época onde a escravidão ainda estava em vigor nos EUA. Também conhecemos bastante sobre como a época era cheia de religiosidade e superstição, um dos traços mais legais do menino Tom.

A história em si me pareceu um pouco monótona, é mais um dia a dia da vida do garoto, apesar de alguns acontecimentos interessantes. Se vale a leitura? Com certeza, apenas diminua suas expectativas para não se decepcionar.

Conhecer os clássicos sempre nos trará um aprendizado, e é um livro muito bem escrito, sem ser difícil de ler, serve como escola para muito escritor por aí que acha que escrita simples é escrita ruim.

Fica com 3 estrelas de 5.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Literatura - Resenha - Uma segunda opinião de Fernando Santos de Oliveira


Uma das grandes qualidades do ser humano, e que é difícil de ser adquirida, é a capacidade de mudar de opinião.

Raul Seixas conseguia ser uma "metamorfose ambulante" e era capas de desdizer aquilo tudo que ele disse antes.

Pois foi com esse pensamento que resolvi fazer uma segunda leitura de "Uma segunda opinião", primeiro trabalho publicado pelo escritor Fernando Santos de Oliveira.

Quando li o conto quase dois anos atrás, ele não me causou uma impressão muito boa. Tinha achado o tema adolescente demais, um tanto fútil, apesar de bem escrito e com um final revelador.

Hoje peguei para ler novamente, sob uma ótica de quem envelheceu dois anos, ingressou na carreira de letras e também lançou material.

Posso dizer que foi bem mais prazeroso ler sabendo o final. Agora, pude olhar a obra entendendo cada pista que o autor coloca, cada acontecimento tendo o seu propósito. Vale uma segunda leitura de "Uma segunda opinião" com o perdão do trocadilho.

É claro que a linguagem é adolescente, afinal o conto é sobre jovens e o seu mundo, ora bolas! Mas uma olhada mais cuidadosa revela partes bem escritas como esse trecho:

"as luzes fracas que vinham do teto jogavam sua sombra contra o chão ampliando-a como se fosse sua segunda personalidade."

Fico feliz em ter mudado de opinião, assim como tinha feito com clássicos que eu não havia curtido na adolescência. 
A partir de agora, vou tentar ler tudo como quem o faz pela segunda vez.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Literatura - Contos - Revista Pulp Fiction lança sua primeira edição.


O site de literatura Homo Literatus realizou meses atrás uma seleção de contos para a primeira edição de sua revista Pulp Fiction.
Este que vos escreve participou da seleção que contou com, pasmem, 200 inscritos e, infelizmente não foi selecionado.
Isso não significa que vamos desistir, preparem-se para as próximas edições.

A primeira edição da revista está disponível no site e pode ser baixada sem nenhum custo. O objetivo é mostrar o trabalho dos escritores brasileiros, alguns desconhecidos, outros com algum nome no mercado.

Para baixar, basta seguir este link: Revista Pulp Fiction ed1.

E já que escrevi um material para esse concurso e ele seria divulgado caso fosse selecionado, nada mais justo do que deixá-lo aqui abaixo para que você também possa ler e dar a sua opinião.

Assexuado

Ajoelhado sob o sangue que escorria de um corpo inerte e tendo em uma das mãos a arma do crime, Josias tentava, em vão, acalmar um pequenino e choroso bebê com a mão restante. O pobre rebento estava chocado após assistir uma mulher ser morta com o martelinho de bater carne retirado da gaveta da cozinha. A ineficácia daquela ferramenta como arma e a inabilidade daquele que a empunhava fizeram com que a cena fosse perturbadora até mesmo para um bebê. Os golpes não letais deram à vítima a chance de lutar por sua vida, embora essa possibilidade apenas lhe tenha causado mais sofrimento, sentindo cada contusão da cabeça irregular e cada laceração que o lado com lâmina provocava.

Josias e a criança estavam totalmente manchados com o líquido avermelhado que começava a coagular e endurecer, empesteando o ar com um cheiro ocre e ferroso quando o rapaz começou a se indagar como foi que chegou naquela situação.

Poderia ter sido numa tarde qualquer, em que o rapaz regressava do colégio cansado e abatido após fazer uma longa caminhada sob o sol quente de verão. Os problemas acumulados durante o dia o cegavam, assim como as salgadas gotas de suor que desciam-lhe pelo rosto corado.
Quisera ele que o lar lhe trouxesse refúgio. Aquela casa antiga, situada num bairro de classe média, costumasse exalar um incômodo e agridoce perfume feminino, que já se podia sentir antes mesmo de abrir o portão. Uma vez lá dentro, atravessava a sala poeirenta e mal cuidada para alcançar o seu quarto e trancar-se lá dentro à procura de paz.

Aquela fragrância concernia à Dona Angélica. A mulher que morava algumas ruas abaixo, costumava visitar o seu pai algumas vezes por semana, sempre durante à tarde. O teor daquelas visitas era confirmado pelo ranger da cama na alcova ao lado ou pelos gritos e termos chulos que a mulher dizia e ouvia de Osvaldo, um mecânico desempregado, que não se importava em arranjar um novo trabalho ou, pelo menos, manter a casa limpa.

Josias ligava o aparelho de som e músicas como Killing in the name of invadiam o ambiente, ocultando os irritantes barulhos oriundos do cômodo ao lado. Só saía do seu retiro para usar o banheiro, embora nesse pequeno intervalo ainda fosse capaz de ouvir o casal interpretando Jeannie é um gênio ou algum outro seriado antigo.

Num desses dias, olhou-se no espelho enquanto lavava o cabelo raspado com máquina e viu seu rosto de testa grande e sobrancelhas finas, que encimavam olhos castanhos e enigmáticos. Não servia para feio, possuía orelhas simétricas e dentes alinhados, apesar de um pouco amarelos.

Mas a paz costumava ser breve. Tão logo Dona Angélica deixava a residência, seu pai vinha importuná-lo, muitas vezes bêbado, se gabando a respeito de seus feitos com a vizinha.

Osvaldo insistia que o filho também lhe contasse suas peripécias, embora Josias respondesse que não ficava confortável para conversar a respeito. A relutância do rapaz só o deixava mais irritado, então ele trazia material pornográfico, revistas, vídeos, objetos que ele tinha nojo até de tocar, mas que o homem o obrigava a experimentar.

A gota que transbordou o balde foi a ocasião em que o homem, completamente fora de si, trouxe um filme dele com a vizinha para que o filho assistisse.

Josias só conseguia livrar-se dele quando se trancava no quarto e aumentava o som ou quando Bete chegasse. Sua mãe era uma mulher magnífica. Passava o dia trabalhando para sustentar a família e ainda tinha que chegar em casa e fazer o serviço doméstico, negligenciado pelos homens que ali moravam. Isso não quer dizer que o pai passasse impune. Bete surrava o marido sempre que tinha uma chance e o inútil nem era capaz de se defender. Sentiria vergonha em se queixar dela para a polícia ou algum vizinho, então recolhia-se em sua insignificância enquanto lambia suas feridas.

Foi numa dessas noites que Osvaldo ouviu o filho desabafando com a mãe.
Josias já tinha dezesseis anos e ainda era virgem. O boato que nasceu no colégio e logo se espalhou pela vizinhança era de que fosse homossexual. A mãe lhe pediu que dissesse a verdade, que não havia problema se o fosse. O filho apenas explicou que não sentia necessidade em se relacionar com ninguém, que preferia ficar sozinho por ora. Bete lhe deu um beijo e foi dormir.
Quando Josias voltou a si, ainda restava o problema atual. O bebê em seu colo chorava e estava sujo de sangue. Achou melhor lavá-lo e colocá-lo para dormir. Durante o processo voltou-se para aquelas lembranças outra vez

Sentiu uma reminiscência. Visualizou mentalmente o período alguns dias depois daquela conversa com a mãe, quando começou a ser assediado por Ritinha. A moça, que morava numa rua próxima e estudava no mesmo colégio que ele, o procurava de forma insistente, apesar das tentativas dele de se esquivar.

Ritinha era tudo o que ele detestava em uma mulher. Apesar de ser bonita e dona de um corpo novo e esbelto que qualquer garoto desejaria, possuía trejeitos que o repeliam. Ela parecia fazer questão de parecer vulgar. Exagerava na maquiagem e no tamanho diminuto de suas vestes. Parecia um desafio à física sua capacidade de preencher peças de roupa bem menores do que seu corpo, e de caminhar balançando-se como quem dança.

Talvez seu caminhar fosse consequência do seu gosto por ouvir funk no celular. Tudo bem se ela usasse fones de ouvido, mas não, todos a sua volta eram premiados com música a custo zero. Se algum descontente reclamava ou pedia para abaixar o volume, conhecia outra faceta dela que Josias detestava. Ritinha era “barraqueira”, adorava fazer um escândalo e chamar atenção de todos à sua volta quando era contrariada.

As recusas dele em ficar com aquela garota tão fácil só fizeram piorar a sua fama. Agora todos tinham certeza que era gay. Como um garoto como ele perderia aquela oportunidade? Era o que todos se perguntavam às suas costas.

Fugindo desse cerco, ele voltou para casa mais cedo um dia, a tempo de adentrar antes da visita costumeira. Naquela tarde, as ondas sonoras de calmaria chegavam a bordo da sugestiva hail and kill e ele achou que seria um entardecer tranquilo.

Tão logo Dona Angélica chegou a quietude se desfez. Enquanto o pai fornicava com a vizinha no quarto ao lado, o rapaz se indagava por que ele não nutria daquele desejo carnal, ou até mesmo amoroso, como a maioria dos mortais. Estaria ele complexado? E se estivesse, seria tudo culpa dos seus pais? Concluía que sim, afinal, a maioria de nossos desvios de caráter, são consequência de algo que nossos pais fizeram. É sempre mais fácil culpar ao outro.

Já era noite quando Osvaldo bateu em sua porta. Fingiu não ter ouvido, afinal seek and destroy preenchia o ambiente e era uma boa desculpa para ignorá-lo. Mas as batidas se tornaram murros e precisou abrir, vendo um homem embriagado querendo falar-lhe.

Josias deixou o quarto e foi à cozinha tomar um copo d´água enquanto o pai o seguia, fazendo-lhe todo o tipo de ofensas e o lembrando do quanto o odiava por ser um mariquinha. O rapaz já estava acostumado com aquele tipo de afronta e sabia que só pioraria caso se irritasse, por isso preferiu ignorar.

Mesmo após o banho, o bebê continuava chorando sem parar, tirando Josias do transe que o fazia relembrar o passado. Colocou então o pequeno no berço e foi fazer-lhe uma mamadeira para acalmá-lo. Nem mesmo o barulho do micro-ondas era capaz de abafar aquele berreiro, assim como o o metal não pareceu capaz de encobrir os gritos de seu pai agonizante.
Josias lembrou-se novamente. De Osvaldo, embriagado, somente de cuecas na cozinha a atormentá-lo com aquela coisa toda de sexualidade. Conseguira desprezar aquelas ofensas até o pai lhe contar que havia contratado Ritinha para desvirginá-lo. E que nem assim ele fora capaz de fazê-lo.

O forno apitava freneticamente avisando que o leite estava quente, mas aqueles bips agudos apenas o lembravam de como metia a faca de cozinha no peito de Osvaldo. Foram tantas estocada que o homem nem sofreu muito, sangrando até a morte em minutos. Mas a morte daquele homem desprezível não foi assim tão rápida. Josias o ameaçou com a faca, mandando que calasse a boca, só que o pai estava alcoolizado, e não percebeu que o garoto falava sério até levar o primeiro golpe, uma laceração no queixo.

Agora no chão, Osvaldo segurava um pano de prato contra o rosto enquanto o sangue tingia o pano puído. O filho estava agora dominado pela fúria e começou a cortar o rosto do pai, ainda vivo, desenhando-lhe novas feições. Primeiro foram os lábios, rasgados até as orelhas para deixar-lhe sorrindo orgulhoso. Em seguida, arrancou os olhos enquanto o homem jazia desmaiado, pois queria que o visse. Terminou serrando os pulsos enquanto a vida deixava aquele corpo e finalizou por castrar-lhe, assim jamais trairia sua mão novamente.

Esgotado, permaneceu ao lado do cadáver, em choque, assim como mantinha-se agora, ao lado de outro defunto, sem saber o que fazer até que sua mãe chegou.

Bete tentou, em vão, ocultar o corpo do marido embora já fosse tarde. Os gritos do homem haviam chamado a atenção de vizinhos que avisaram a polícia. Quando eles vieram, Bete assumiu a autoria do crime e foi presa no lugar do filho.

Esse é o tipo de coisa que as mães fazem pelas crias. Nada mais justo depois de deixá-los com tantas perturbações, pensaria o filho que se aproveita da situação, mas Josias queria confessar, queria ser preso no lugar dela, só que Bete não permitiu. Disse que tiraria a própria vida se ele se entregasse.
Josias não tinha mais mãe, assim como aquele bebê que agora tomava feliz o seu leitinho, completamente ignorante a despeito de sua progenitora estar a apenas alguns metros, sem vida, endurecendo sobre uma poça do seu próprio sangue.

Mas por que Josias deixou órfão aquele pequenino?

Quando sua mãe foi presa, ficou definido que precisava de um tutor, afinal, ainda era menor de idade. Na ausência de parentes conhecidos, foi entregue à madrinha. Lucinha era uma mulher de quase quarenta anos, e com uma vida cheia de histórias para contar. Havia se casado muito cedo e sonhava muito em ser mãe. Só que o marido desenvolveu leucemia e ela jamais conseguira engravidar.
Quando Josias foi morar em sua casa, Lucinha jamais imaginaria que os dois tomariam um porre juntos, usariam drogas por horas à fio, buscando esquecer as mágoas que carregavam, e que, naquele breve momento de descontrole, acabariam transando.

E daquele único ato inconsequente gerou-se um fruto. Uma nova vida que agora dormia tranquilamente enquanto o seu pai assistia um episódio de Doctor Who ao mesmo tempo em que fatiava os restos mortais de sua mãe para o descarte.


Josias jamais revelaria ao filho suas verdadeiras origens. Aquela criança não teria pais para complexá-lo, seja servindo de um exemplo deturpado, seja deixando-o para trás no momento da viagem derradeira.

domingo, 18 de outubro de 2015

Desinformadoss - Humor - O Matuto e a caganeira

Muitos podem achar que essa minha mania de escritor é novidade, um "fogo de palha" por assim dizer, mas escrevo continuamente desde a adolescência. 
A diferença é agora tenho maturidade para compartilhar esse material sem temer o julgamento, por isso, resolvi buscar alguns textos antigos para colocar aqui no blog.

O Matuto foi um personagem inventado para ser um avatar. Ele substitui as pessoas reais para poupar suas identidades. Essa história que transcrevo abaixo foi publicada nesse mesmo blog quatro anos atrás. Dei uma arrumadinha em alguns erros de português meio gritantes, mas o que importa aqui é a situação. Ela aconteceu mesmo...

Matuto e a Caganeira


Sabe quando você acorda e o dia parece nebuloso? Algo te diz que é melhor ficar em casa mas você insiste em sair para ir trabalhar? Pois é, vejam o que aconteceu ao Matuto num dia desses.
Logo que saiu de casa, o Matuto viu que tava um trânsito nojento, tinha chovido e tava aquela desgraça pelas ruas. Mesmo assim o Matuto saiu com sua namorada em direção ao centro da cidade.

Não tinham nem chegado nem na metade do caminho quando ele sentiu uma pontada no abdome, sim abdome, é muito mais bonito do que falar barriga.
Era um peido, sim, aquela lufa de gás fedido que chega nas horas mais impróprias. Você precisa se livrar dele sem fazer alarde, mas os vidros do carro estavam todos fechados por causa da chuva e o ar condicionado estava ligado no reciclador de ar.
Outra cólica veio e não deu pra segurar, pfuuuuuuft! - Saiu com pouco barulho, o rádio encobriu, "Acho que ela não vai perceber" – pensou ingenuamente enquanto uma gota de suor desceu pela testa.

Segundos depois ela protesta:

- Você peidou? Tá um cheiro de merda aqui dentro! Disse a moça tapando o nariz.
- Escapou... Alguma coisa que eu comi não caiu muito bem, foi mal.
Mais dez minutos se passaram e as cólicas voltaram, pareciam contrações de parto porque iam e voltavam em intervalos cada vez menores.
Se contorcendo feito uma lagartixa ele virou pra sua namorada e falou que eles iam precisar parar em algum lugar pra ele ir ao banheiro que o negócio tava brabo.
Ela sugeriu uma padaria que estava a menos de um quilômetro dali, mas o trânsito não andava de jeito nenhum.
Depois de ter perdido a vergonha e peidar descontroladamente resolveu entrar em desespero, ou saía daquele carro ou estragava a cueca, a calça e o carro. Colocou o braço pra fora e foi trocando de faixa, indo para a direita até que viu um posto de combustível.
Parou na frente da loja de conveniência e já foi perguntando onde era o banheiro. – lá atrás - respondeu o balconista.
Com o que restou de suas forças, caminhou debaixo de chuva até os fundos do posto e encontrou um toilete mais imundo que banheiro público, mas como não tinha escolha, arriou as calças e mandou ver.
A Sensação de alívio foi repentina, afinal alegria de pobre dura pouco. A privada não tinha tampa e ele sentia que um movimento em falso e cairia lá dentro. O chão estava todo molhado e torcia para que fosse água da chuva que escorria até ali.

Uma nova demanda o fez esquecer da chuva. Havia algo que precisava ser limpo antes que saísse. Começou a procura visual, olhou no vitrô, nas paredes, no chão mas percebeu que não havia papel higiênico.

- Agora fudeu! Metade da minha bunda tá melada e não tem como limpar - pensou o Matuto. Mas o Matuto é garoto esperto e pensou em sacar o celular e ligar para sua namorada que estava no carro pra que ela trouxesse o papel. Foi checar os bolsos e o celular tinha ficado no carro.
Desesperado, não sabia se sacrificava as meias e a cueca em troca de sua dignidade, ou começava a chorar. Tentou levantar e dar uma olhadinha se aparecia alguém... nada. Até que chegou um maluco abrindo a porta com tudo e ele: - opa, tem gente, tem gente!
Era outro cara com caganeira. O Matuto jogou o restinho de sua honra no vaso e chamou o cara. – Maninho, me ajuda aqui!


Meio cabreiro, o sujeito foi se aproximando com medo do que ouviria, mas o Matuto foi sucinto. Rapidamente explicou que sua namorada estava no carro e o cara foi lá avisar a moça que trouxe uma caixa de lenços para ele fazer a sua higiene.

Após a limpeza, lavou as mãos na água que caía do telhado, pois a torneira não funcionava e foi trabalhar normalmente, suas pernas doeram por dois dias de tanto segurar a merda.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Literatura - Lançamento - Natureza Humana



Equipe de imprensa vai à amazônia brasileira constatar as péssimas condições de trabalho, mas se depara com intrigas, crimes e muito mistério. 

Seriam as lendas sobre o local, relatos verdadeiros? 
Quando um deles é terrivelmente assassinado, inicia-se uma desesperada corrida por suas vidas, e por uma reportagem.


Essa é a sinopse do meu primeiro livro publicado e que já pode ser adquirido a partir de hoje, por enquanto apenas na forma de e-book - Comprar o livro.

Esse projeto data de 2012 quando a editora Draco abriu submissão para contos sobre mitologia brasileira e que veio a se tornar a coletânea Brasil Fantástico. Escrevi o conto e cheguei a enviar para eles não sendo aceito na época. Me perguntando o porquê de isto ter acontecido, imaginei que era porque meu conto tinha capítulos, descrições detalhadas e vários personagens. Era grande demais para a proposta.

Com isso em mente, reescrevi a história sem me preocupar com o tamanho dela e a finalizei em 2013. Agora eu tinha um livro, mas ele ainda era pequeno demais para levar para as editoras convencionais, então arquivei e segui outros projetos.

Dia desses peguei para reler e continuei achando uma história interessante, que não merecia ficar abandonada apenas porque era grande demais para um conto ou pequena demais para um livro. Isso até tem um nome: novela. 
Peguei o material novamente, revisei tudo de novo, mudei algumas coisinhas que alguns leitores beta não aprovaram e voilá: Natureza Humana está nas prateleiras (virtuais) da Amazon e essa bela história não vai morrer no fundo de uma gaveta.

Enquanto eu continuo buscando uma editora para meus outros projetos, leia esse, divirta-se e depois me conte o que achou; Resenhas no site da Amazon, no skoob, no seu blog pessoal ou até um comentário nesse post são altamente incentivados. Fique a vontade para dizer o que gostou, o que não gostou, o que mudaria. Pode até me mandar um e-mail direto para Daniel Martins que terei o maior prazer em esclarecer alguma dúvida ou discutir algum detalhe.

Um abraço e boa leitura!




domingo, 11 de outubro de 2015

Desinformadoss - Literatura - Brasil Cyberpunk 2115: Você não pode ter tudo o que quer

Com o intuito de incentivar e prestigiar novos autores nacionais (assim como eu) tenho me aventurado a ler as mais diversas obras dentro desse segmento.

Melhor ainda se você ganha o livro num sorteio certo? Foi assim que chegou às minhas mãos Brasil Cyber Punk 2115 de Rodrigo Assis Mesquita.

Nos reviews que li por aí, foi classificado como conto, embora eu considere uma pequena novela sobre uma aventura que acontece em São Paulo, num futuro um tanto possível, um tanto distópico em 2115.

Parabéns ao autor pela imaginação fértil quanto à "prever" como estarão a cidade e o mundo daqui a cem anos. Apesar de tamanho diminuto da obra, ele conseguiu ambientar bem essa parte tecnológica da coisa. Infelizmente faltou espaço para descrever a cidade em si, ficando a cargo da imaginação do leitor essa tarefa.

O grupo de personagens bastante heterogêneo também merece destaque. Outra vez, a falta de espaço me fez querer mais detalhes sobre alguns deles como o Mr. Lobo e Wellington, mas o autor utilizou as páginas que tinha para se focar na protagonista, Hel.

Achei uma novela divertida, que se lê em duas sentadas e que, se não empolga, pelo menos não compromete. Importante ressaltar ao autor e a todos que usam o sistema da auto publicação, para terem mais cuidado com a revisão. Achei alguns poucos erros, coisa de digitação mesmo, que o próprio autor não consegue enxergar, se fazendo necessário uma revisão por terceiros qualificados.

Em suma, é um cenário interessante, que merece um romance "full size" desse bom novo autor brasileiro.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Desinformadoss - Crônica - Complexo de pastor alemão

Assistindo ao jogo da seleção brasileira ontem, me peguei refletindo a respeito dos porquês de tão mau futebol e me veio à mente o excelente texto de Nelson Rodrigues chamado "complexo de vira-latas".

À época de 1958, éramos um país de baixa autoestima, fustigado pela derrota em 50 para o Uruguai, um país agrícola, subdesenvolvido, sem indústrias e dependente da economia externa.

Nelson Rodrigues acreditava na capacidade do povo brasileiro, e ele se mostrou correto quando não ganhamos apenas um, mas cinco títulos mundiais.

Percebo que houve uma mudança na nossa autoestima, de muito baixa para extremamente alta. "O futebol brasileiro é o melhor do mundo" diria a maioria da nossa imprensa, "só nos falta organização" diria outra parte. Pois vos digo que nos falta qualidade, nos falta material humano.

O leitor me chamaria de maluco, mas vou me explicar: Em que seleção de primeiro escalão temos lugar para Hulk? Talvez nos vingadores, mas no futebol onde o campo, e não o jogador, é verde, é preciso habilidade, técnica. Hulk é tão habilidoso quanto um caminhão desgovernado, é um lutador de MMA com um chute muito forte.

Isso se não falarmos de Douglas Costa, Oscar, Willian. Bons jogadores, vá lá, mas longe de serem Zico, Tostão, que dirá Garrincha ou Pelé.

Ah, mas e o Neymar? rebateriam muitos. O garoto dos penteados de pica pau é um ótimo jogador, mas não estamos falando de atletismo ou natação onde um Phelps ou um Bolt resolvem tudo sozinhos, estamos falando de um esporte que precisa de uns trinta caras para dar certo.

E o maior exemplo do nosso complexo de pastor alemão, afinal parecem vir de lá os melhores cães atualmente, é o nosso técnico com nome de anão da Branca de Neve. Dunga tem uma carreira impressionante como técnico: Seleção, Internacional, ostracismo, Seleção de novo. Tem a experiência de um estagiário.

E foi colocado lá porque após o vexame dos 7x1 com Felipão, a CBF achou que seria uma ofensa chamar um técnico internacional, afinal os brasileiros são melhores apenas porque aqui nasceram.

Dunga até se vira bem, faz o que pode com o elenco limitado à disposição. Mas é como a escolha dos nossos ministérios: Você é pastor evangélico? tá aqui o ministério dos esportes pra você...

O Brasil pode até se classificar para a copa. Pode até mesmo ser campeão lá na Rússia mas, honestamente, seria terrível para o nosso ego, já tão inflado.

Um pouco mais de humildade, por favor.

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Desinformadoss - Bacon - Sushi de Bacon

É isso mesmo que você ouviu (ou leu na verdade). 
Esse negócio de peixinho com arroz é coisa de frutinha (apesar de peixe ser carne e arroz cereal), mas você entendeu. (se não entendeu, pergunta pra alguém inteligente...)

O Sushi de bacon é a mais pura carne moída enrolada em tiras do alimento dos deuses.
E ainda é assado, assim você não estará comendo fritura (suuuuuuper saudável).

O vídeo tá em inglês, mas dá pra compreender mesmo se você for flamenguista...


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Desinformadoss - Conto - Sonho Metálico

Quando terríveis criaturas alienígenas invadem a terra, somente um garoto brasileiro e sua ideia nada ortodoxa será capaz de detê-los.
Foi com essa pequena sinopse que publiquei meu primeiro conto de forma oficial.

Um garotinho apaixonado por filmes de heróis japoneses (assim como eu) vê o seu sonho se tornar um pesadelo quando uma invasão acaba mesmo acontecendo.

Não foi fácil escrever esse conto. As versões iniciais ficaram muito grandes porque eu queria muito detalhar o ambiente, os personagens e os sentimentos que a história trazia.

Depois de muita correção e da opinião sincera e valiosa de alguns amigos, resolvi "enxugar" o máximo que podia para adequar a obra ao que se destinava: um conto.
Acabei me surpreendendo com a capacidade de síntese que obtive com o resultado final. É uma história longa, mas contada em apenas seis páginas de um e-book. Dá pra ler em apenas 10 minutos.

Ficou curioso? Saiba que não é preciso um e-reader para ler essa obra. Você pode ler no seu computador, tablet ou até celular com os aplicativos para kindle que são gratuitos.

O conto pode ser adquirido em :http://www.amazon.com.br/dp/B010P26JB6

Você já leu? Gostou? Não gostou? Então faça uma avaliação dele no site da Amazon ou no skoob - https://www.skoob.com.br/sonho-metalico-515068ed521793.html e você já vai estar me dando aquela ajudinha.


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Desinformadoss - Utilidades - Cinco maneiras simples de economizar água

Sistema Cantareira

Em tempos de crise hídrica, muito se tem falado sobre economia de água. Mas, se você já escova os dentes com a torneira fechada e só lava a calçada quando a casa parece abandonada, parece não haver muito o que fazer.
Além disso, a maioria das soluções impõe gastos com reservatórios, bombas, tubulações e afins.
Por isso, resolvemos colocar aqui cinco dicas para economizar água, que mesmo você, pobretão assumido pode fazer sem precisar colocar a mãe à venda. Vamos lá?


1 - Pegue água do chuveiro:
Vai tomar banho? pois bem. Coloque um ou dois baldes dentro do box e tome o seu banho normalmente. Parte da água que bate no seu corpo vai acabar caindo nos baldes.
Depois você pode usar essa água para jogar no vaso sanitário e poupar a descarga, ou quem sabe lavar o xixi do seu cachorro e por aí vai.




2 - Colha água da chuva:
Começou a chover? coloque alguns baldes e bacias naqueles pontos do telhado onde se formam cursos de água.
Essa água é limpa e pode ser usada na descarga, na limpeza de quintais ou carros e até mesmo para regar as plantas.
Só não vá beber pois essa água não é potável.




3 - Aproveite a sua máquina de lavar.
Você tem ideia quanta água sua máquina de lavar usa? Aproximadamente cento e vinte e cinco litros por lavagem.
Pois essa água pode ser aproveitada. Coloque baldes próximos à saída da máquina e use essa sobra.

A primeira água que saí, a da lavagem, vem com grande quantidade de sabão, sendo ótima para lavar o quintal ou o carro.

A segunda água (do enxágue) é ainda melhor, porque ela é mais limpa que a primeira e você pode reutilizar na própria máquina para uma lavagem de toalhas, cobertores ou tênis.
Caso contrário, pode usar na descarga do banheiro, ou para lavar o chão da cozinha ou do banheiro.


4 - Pia da cozinha
Você coloca os pratos sujos sobre a pia, abre a torneira e os molha para facilitar a retirada da sujeira?
Que tal fazer isso sobre uma vasilha ou tigela e salvar essa água?
Os restos de comida misturados com a água que você ia jogar ralo abaixo podem servir para regar e adubar as suas plantas. Tudo isso porque essa mistura tem um alto teor de componentes orgânicos. Você economiza água e ainda cuida das plantas. Perfeito!

5 - Use um regador
Se você tem um jardim grande, vai precisar de uma quantidade grande de água para regá-lo. Ligar o esguicho e ensopar a terra não é bom nem para as plantas nem para a sua conta de água.
Use um regador e jogue a quantidade certa necessária para não apodrecer as plantas.
Não tem um regador? Pegue uma garrafa pet que ia para o seu lixo (reciclável espero), faça furos na tampa com uma furadeira ou até mesmo com martelo e prego e pronto: Você tem um regador eficiente e econômico como esse da foto.


Gostou das dicas? Tem alguma outra para compartilhar? então deixe seu comentário abaixo.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Desinformadoss - Bacon - Os benefícios do bacon

Quando pensamos em bacon, tudo o que nos vem à cabeça é que essa iguaria é deliciosa, mas faz mal à saúde.

Pois saiba que não é bem assim.

Em primeiro lugar, devemos sempre considerar o exagero. Se você comer quantidades bíblicas de bacon (ou de qualquer outra coisa) todos os dias é lógico que vai ter problemas.

Mas, se comer moderadamente, não há maiores problemas, inclusive, tem vários benefícios, vamos a eles:

- Essa é pra você que está prestes a ter filhos. Se uma mulher grávida comer bacon e ovos, o bebê terá uma memória melhor. Tudo porque o bacon contém colina, que ajuda na memória e ainda previne complicações no coração do bebê (isso mesmo) e nascimentos prematuros.

- Comer bacon ajuda a emagrecer (what?) Sim. Ao ingerir bacon no café da manhã, se come menos no almoço, contribuindo para o metabolismo.

- A ração dos porcos contem Ômega-3, substância que reduz o colesterol, as chances de infarto, inflamações e ainda melhora a circulação (preciso disso).

- Bacon cura ressaca! Um estudo provou que o bêbado desestabiliza os neurotransmissores, maximizando os sintomas da ressaca. O bacon tem alto nível de aminoácidos que ajudam a regularizar essa função.

- Metade da gordura do bacon é monoinsaturada e a outra metade, a mais perigosa é relativamente estável e não se rancidifica em condições normais de cozimento.

- Ainda sobre a colina, presente no bacon, ela ajuda na formação de novos neurônios (por isso sou tão inteligente). Além disso, estudos indicam que ela melhora a função cognitiva e reduz a depressão.

Este artigo não tem fundamentação científica, senão uma porca pesquisa na internet, então se você virar um gordo escroto ou ter um infarto, a culpa não é nossa!

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Desinformadoss - Literatura - Resenha - Limbo - Thiago D'evecque

Uma alma renasce no limbo. Sua missão é recrutar doze almas para ajudar os humanos, que estão se destruindo;

Assim podemos definir o início dessa obra nacional, lançada de forma digital e disponível na Amazon.
Você pode comprá-lo lá se desejar: http://www.amazon.com.br/Limbo-Thiago-dEvecque-ebook/dp/B010VNGZEA/ref=sr_1_1?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1441993271&sr=1-1


Apesar das notas bem altas, tanto na Amazon, quanto no Skoob, não conseguí gostar da obra em sua plenitude. A jornada do personagem principal me foi um tanto cansativa, repetitiva e com descrições em demasia.
Por esse motivo, quando cheguei ao final, pareceu que houve uma certa correria para finalizar, já que muito se havia gasto pelo caminho.
Também me incomodou encontrar alguns (poucos é verdade) erros de português, algo que uma revisão pegaria.

Mas nem só de críticas se resume essa resenha. A escrita do autor se mostra bastante rica e a ideia em si é muito boa. O caminho de autodescoberta que o protagonista percorre foi muito bem sacado, assim como a presença que o acompanha, que enriquece bastante a história.

Não se assuste com alguns pontos negativos citados aqui, leia e tire as suas próprias conclusões.

Nota 3,2 (0 a 5)