sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Matuto

A partir de hoje quero apresentar pra vocês o Matuto. A idéia de criar esse personagem surgiu quando a gente estava trampando em Campo Grande – MS, ele seria uma espécie de “bode expiatório” para todas as histórias engraçadas que quisermos contar.
É só falar: - Aconteceu essa parada aqui com o Matuto, e assim evitamos divulgar o nome dos camaradas quando a estória for verídica.
O Matuto seria aquele típico caipira Brasileiro, meio ingênuo, meio tonto mesmo, criado pela avó... Enfim.

O primeiro causo que escolhemos pra contar é o do hotel:

Matuto no hotel

Tava lá o matuto, todo pimpão, hospedado em hotel, enchendo a barrida de pão no café porque não tinha limite, se sentindo o magnata.
Eis que um lindo dia um camarada chega nele e pergunta quanto tempo ele tava demorando no banho.
O Garoto esperto quis aparecer pros “manos” e já foi se gabando: - eu fico uma hora no chuveiro quentinho, da hora maninho!
- Não muleke! Não faz isso! Vão cortar a sua água!
- Cortar por quê?
Daí explicaram pro espertalhão que o Hotel tinha um registro de água no forro de cada quarto pra controlar o quanto de água gastava e que se passasse de 5 minutos por dia tinha um acréscimo de três reais por minuto.
Claro que o matuto não ia cair assim tão fácil, mas combinaram com o recepcionista do hotel o esquema, o tonto foi lá e o cara confirma que a conta de água dele passava dos 300 reais e que se ele não pagasse iam cortar.
Daí, depois de muito choro o recepcionista do hotel concordou em deixar ele pagar depois e o matuto ficou desesperado, tomava banho cronometrando os cinco minutos, saía ensaboado porque nem dava tempo de tomar banho direito. Pelo menos ele parou de “bater bronha” no chuveiro...
No final algum dos camaradas do matuto acabou não agüentando e contando pra ele. Foi um misto de revolta e alívio do trouxa.
Postar um comentário