terça-feira, 18 de maio de 2010

Matuto e a Caganeira


Sabe quando o dia começa nebuloso? Algo te diz que é melhor ficar em casa mas você insiste em sair para ir trabalhar? Pois é, vejam o que aconteceu ao Matuto num dia desses.
Logo que saiu de casa, viu que tava um trânsito nojento, tinha chovido e tava aquela desgraça pelas ruas. Mesmo assim o Matuto saiu com sua namorada em direção ao centro da cidade.
Não tinha chegado nem na metade do caminho ele sente uma pontada no abdome, sim abdome, é muito mais bonito do que falar barriga.
Era um peido, sim, aquela lufa de gás fedido que chega nas horas mais impróprias, os vidros do carro todos fechados por causa da chuva e o ar condicionado no recirculador de ar.
Outra cólica veio e não deu pra segurar, pfuuuuuuft! Saiu com pouco barulho, o rádio encobriu, acho que ela não vai perceber.
- Você peidou? Tá um cheiro de merda aqui dentro! Disse a moça tapando o nariz.
- Escapou... Alguma coisa que eu comi não caiu muito bem, foi mal.
Mais dez minutos se passaram e as cólicas voltaram, pareciam contrações de parto porque iam e voltavam em intervalos cada vez menores.
Se contorcendo feito uma lagartixa ele virou pra sua namorada e falou que eles iam precisar parar em algum lugar pra ele ir ao banheiro que o negócio tava brabo.
Ela sugeriu uma padaria que estava a menos de um quilômetro Dalí, mas o trânsito não andava de jeito nenhum.
Depois de ter perdido a vergonha e peidar descontroladamente resolveu entrar em desespero, ou saía daquele carro ou estragava a cueca, a calça e o carro. Colocou o braço pra fora e foi trocando de faixa, indo para a direita até que viu um posto de combustível.
Parou na frente da loja de conveniência e já foi perguntando onde era o banheiro. – lá atrás, respondeu o balconista.
Com o que restou de suas forças caminhou de baixo de chuva até os fundos do posto e encontrou um banheiro, daqueles piores que banheiro público, mas como não tinha escolha, arriou as calças e mandou ver.
A Sensação de alívio foi repentina, afinal alegria de pobre dura pouco. A privada não tinha tampa e ele tava quase caindo lá dentro, o chão tava cheio d água que ele torcia que fosse da chuva que escorreu e daí começou a procura visual, olhou no vitrô, nas paredes, no chão mas percebeu que não havia papel higiênico.
Agora fudeu! Metade da minha bunda tá melada e não tem como limpar, pensou o Matuto, mas o Matuto é garoto esperto e pensou em sacar o celular e ligar para sua namorada que estava no carro pra que ela trouxesse o papel. Foi checar os bolsos e o celular tinha ficado no carro.
Desesperado não sabia se sacrificava as meias e a cueca em troca de sua dignidade ou começava a chorar, tentou levantar e dar uma olhadinha se aparecia alguém... nada. Até que chegou um maluco abrindo a porta com tudo e ele: - opa, tem gente, tem gente!
Era outro cara com caganeira. O Matuto jogou o restinho de sua honra no vaso e chamou o cara. – Maninho, me ajuda aqui!
Rapidamente explicou que sua namorada estava no carro e o cara foi lá avisar a moça que trouxe uma caixa de lenços para ele fazer a sua higiene.
Após a limpeza, lavou as mãos na água que caía do telhado, pois a torneira não funcionava e foi trabalhar normalmente, suas pernas doeram por dois dias de tanto segurar a merda.
Postar um comentário