sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Resenha - Arcanista de Joe de Lima

Olá meus amigos, como estão vocês? Espero que muito bem.

Hoje vamos falar de mais uma obra nacional. Arcanista de Joe de Lima

CAPA: 


Ótimo trabalho de capa, desde a ilustração mostrando o capote utilizado pelos arcanistas, bem como seu símbolo no ombro, passando pelo bom posicionamento do título e até pela escolha de fonte que transmite muito bem o que encontramos na obra.

SINOPSEMarcel Seeder é um tímido rapaz de 16 anos que vive em Vera Cruz, uma nação dividida pelo jogo de poder entre o governo, o exército independente chamado Arcanum e a sombra do grupo ecoterrorista Voz Verde.

Marcel se preparou desde a infância para uma carreira militar como arcanista, seguindo os passos de seu pai. Entretanto, a visita oficial do Regente-Geral e de sua família à Arcanum irá deflagrar um terrível incidente. Para enfrentar a conspiração que busca assassinar Camilla Noble, a filha mais velha do Regente, Marcel precisará superar suas limitações e dominar a gema incrustada em sua mão.

Com uma narrativa cinematográfica, Arcanista é mais que uma história de superação e sobrevivência. É a história de pessoas que tentam encontrar seu lugar em uma sociedade com um complexo cenário político e um colossal abismo social que separa a elite e a classe menos favorecida.

DADOS TÉCNICOS: 2016, 288 páginas, Independente, Joe de Lima

RESENHA: Se você está procurando um livro que reúna aventura, distopia, Ficção Científica, fantasia e muito mais, então corra para ler Arcanista, primeira parte de uma trilogia batizada de Vera Cruz e escrita pelo brasileiro Joe de Lima.
O livro narra a história de Marcel Seeder, um rapaz cujo maior objetivo é adentrar uma espécie de força policial conhecida como Arcanistas.

JORNADA DO HERÓI?: Parece, mas não é. Os primeiros capítulos mostram Marcel fazendo as provas para entrar no grupo dos Arcanistas, mas acabamos descobrindo que o rapaz não é exatamente um herói. Ele é falho, tem problemas familiares, é apaixonado por uma garota que não o corresponde, coleciona muitas derrotas e poucas vitórias.
O personagem é muito verossímil e interessante justamente por não seguir à risca a jornada do herói.

DISTOPIA?: Sim. Vera Cruz é o que sobrou após uma guerra onde bombas nucleares foram utilizadas e as sobreviventes vivem nas chamadas cidades altas. Durante o desenrolar da história descobrimos que muito não é o que parece, que governos e outras instituições podem estar corrompidas. São várias nuances bem exploradas nesse quesito.

Aqui uma nota sobre a escolha do nome. Vera Cruz já foi um dos nomes do Brasil e dessa forma sutil, percebemos que se passa em nossa terra.


FICÇÃO CIENTÍFICA?: Também... A utilização de certos equipamentos, armas e veículos bebe na fonte da ficção científica. Claro que não dá tempo de se aprofundar porque há muita coisa acontecendo, mas há traços sim do estilo.

FANTASIA?:  O elemento fantástico surge na forma da mana. Mana seria uma fonte de energia encontrada no centro da terra e que passa a ser utilizada para fazer quase tudo em Vera Cruz. Os arcanistas utilizam cristais desse material para produzirem os seus poderes, como é o caso de Marcel, que consegue um poder, mas tem bastante dificuldades e problemas ao usá-lo.

Há um grupo chamado "Voz verde" que alega que a obtenção da mana está exaurindo o planeta e esse grupo também tem papel importante na trama.

AVENTURA: A história que começa com a formação de Marcel como Arcanista logo nos leva a sua primeira missão onde ele se encontra com Camila Noble, filha do regente de Vera Cruz e com dois garotos que se tornarão bastante importantes para a trama.

O grosso do livro se passa nessa aventura, quando os elementos que descrevemos acima já estão bem explicados e confortáveis para o leitor.
CONCLUSÃO: Arcanista se mostra um livro muito bem estruturado, com personagens críveis, reviravoltas, traições e surpresas.
Tudo está bem explicado, sem pontas soltas ou personagens inúteis. A leitura é prazerosa e fluida.
Achei uns errinhos de digitação aqui e ali, mas nada que atrapalhe, apenas uma das dificuldades de um autor independente.

Com certeza irei ler os outros dois livros da saga, pois o primeiro deixou uma ótima impressão.

Nota 4,0 no Skoob para um livro que entrega mais do que promete flerta com vários estilos sem decepcionar em nenhum deles.

E você leitor? Já leu esta obra? qual sua opinião sobre ela?

E sobre essa resenha? concorda? discorda? quer acrescentar algo?
Então deixe o seu comentário.

Abraços

Dan Folter
Postar um comentário