quarta-feira, 7 de julho de 2010

Matuto no Motel

O carro do Matuto servindo pra alguma coisa



Se você é pobre, afinal está lendo esse blog em vez de estar no seu iate, siga estes conselhos dos sábios sobre motéis:

1 – Se você não tem carro, não vá ao motel, simples assim. Quem não tem carro trepa em casa, na escola, no meio do mato, mas no motel, vá de carro.
Moto não serve, quer coisa mais feia do que chegar no motel de CG com aquela gorducha na garupa fazendo a moto empinar?

2-Jamais leve algum tipo de intermediário. No motel apenas você e sua companhia, se for fazer uma suruba, faça em casa ou alugue um chalé nas montanhas.

3-Jamais interrompa o ato do coito se você for um homem, termina o serviço, não importa se está com sede, diarréia, ânsia de vômito, se vira.

Tudo isso é apenas para que os erros do nosso amigo Matuto não sejam repetidos:

Tava lá o matuto em casa com a namorada com aquela vontade de trocar o óleo, mas a casa tava cheia de gente e não ia rolar. Eis que surge a grande idéia! (imagine uma lâmpada incandescente de 15 Watts acendendo sobre a cabeça dele). Ir ao motel de taxi.

Não é de deixar os pais orgulhosos? Eu ficaria. Ligou na chame taxi e lá veio o Astra branco com um tiozinho no volante – “toca pra onde doutor”
- Motel Chamego, por favor! – disse cheio de si sentando ao lado do taxista e deixando sua ruborizada companhia sozinha no banco de trás.

Chegando ao motel, o taxista olha a placa com as opções de suíte e narra com todos os detalhes para eles escolherem. A atendente da cabine fica olhando para a garota achando que eles estavam em três e ela era o prato do dia... Santo constrangimento Batman!

Chegando ao quarto lá vai o Matuto mostrar toda a sua performance sexual, após quase 5 minutos ininterruptos de sexo animal, ele interrompe a brincadeira alegando sede, vai até o frigobar e pega uma coca light (aquela das pessoas que fazem tudo errado, pelo menos o comercial sugere isso) e manda pra dentro.

Um arroto depois ele volta para a cama, mas desastrado do jeito que é acaba escorregando e caindo de bunda naquela quininha pontuda do canto... (dói só de pensar) mas como Deus ajuda os idiotas ganha apenas um rasgo na nádega esquerda. (dessa o furico escapou)

Aos gritos e lágrimas e com o bumbum sangrando ele pede ajuda, por sorte sua companheira já havia cursado enfermagem e resolveu fazer um curativo ali mesmo, imaginem o cara deitado de bruços na cama do motel e sua garota, nua, costurando-lhe a nádega esquerda...

Mais um taxi depois, passaram a tarde no pronto socorro e quando o médico perguntou como aquilo havia acontecido ele explica, na frente da moça, a história verdadeira.

Depois de tudo o que ela já havia passado, custava mentir?
Postar um comentário