sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Resenha - Apenas viva sem mim de Maria Eduarda Duarte

Salve, salve amigos desinformados!

Hoje é dia de resenha. E de livro nacional!

Capa:



Gostei bastante da capa, pois tanto a ilustração como as cores escolhidas, nos transmitem exatamente os sentimentos pretendidos pela obra: tristeza, saudade, solidão, etc. 
Uma capa nota 10!

SINOPSE"Minha mãe costumava dizer que a dor sentida nunca poderia ser escrita. Eu nunca concordei com essa frase, até o dia que perdi o nós."

O jovem casal Andrew e Maryui eram perfeitos, aos olhos de todos. Tinham uma ligação esplêndida, ambos faziam tudo um para o outro. Mas, acidentes acontecem. E são capazes de transformar o mundo, ou pelo menos, o mundo específico de alguém. Quando tudo é alterado em uma noite simplória de sábado, as chamas consomem o amor existente restando só culpa, medo e desconfiança entre o que é visto e o que é a verdade absoluta. Cabe a Andrew, então, recuperar-se das queimaduras e encontrar a realidade em seus sentimentos pela esposa, mas ele acaba adentrando no mundo obscuro de Maryui – e isso pode o levar à ruína.

DADOS TÉCNICOS: 2017, 111 páginas, Editora Xeque-Matte, Maria Eduarda Duarte


RESENHA: Apenas viva sem mim é o romance de estréia da autora Maria Eduarda Duarte e conta a história de um casal jovem: Andrew e Maryui.
Na trama um acidente separa o casal e deixa Andrew em um estado profundo de depressão, à custa de remédios, médicos e terapeutas.

PSICOLÓGICO: O livro é narrado em primeira pessoa e nos traz as reflexões de Andrew, como ele está se sentindo após a perda de sua amada.
Nessa narração conhecemos a vida do casal antes do acidente, como se conheceram e todos os detalhes que o fazem lamentar essa perda.

Não é uma obra calcada na ação, mas nos sentimentos, na reação desse personagem, em como ele lida com essa mudança brusca em sua vida.

QUERIDO DIÁRIO: Para que não tenhamos apenas a perspectiva de Andrew dos fatos, a autora utilizou o recurso de passagens de um diário escrito por Maryui. A partir desse momento passamos a ver que a vida do casal, até então um conto de fadas, tinha sim alguns problemas, alguns deles bastante sérios.
Descobrimos que Maryui sofria de depressão também e entendemos que isso, juntamente com alguns comportamentos de Andrew, dificultavam a vida harmoniosa desse casal.

NÃO FOI BEM ASSIM: A Apresentação de vários fatos sobre a vida anterior do casal e também algumas revelações em conversas do rapaz com sua mãe nos fazem a questionar como tudo teria acontecido. 
O leitor começa a ter dúvidas já que a primeira pessoa não nos permite saber o que aconteceu exatamente, mas enxergamos através dos olhos de outras pessoas, que nesse caso, não estão em sua plenitude psicológica e podem estar se iludindo ou enxergando os fatos de forma distorcida.

UM POUQUINHO DE AUTOAJUDA: A autora utiliza o final da obra como um aviso para aqueles que sofrem de depressão. Ela parece querer convidar aqueles que acreditam sofrer desse mal a procurarem por ajuda.
Apesar de não conhecer a intimidade da autora, a obra se parece um tanto autobiográfica, pois dá a impressão que ela ou alguém próximo enfrenta ou enfrentou esse problema.

MATURIDADE: Chama a atenção esta obra de cunho psicológico ter sido escrita por uma pessoa de apenas 17 anos. Nos mostra uma maturidade em sua primeira obra que nos faz imaginar onde ela pode chegar se continuar investindo nessa carreira.

Por isso, acho que devemos descontar alguns probleminhas técnicos na obra, como o uso incorreto de vírgulas ou a revisão que deixou um pouco a desejar.

UMA NOVA EDITORA: Apenas viva sem mim é uma publicação de uma editora recente no mercado. A Xeque-Matte trouxe um livro de boa qualidade, com trabalho gráfico acima da média, capa muito boa e diagramação também. O papel amarelado é confortável e as fontes tem bom tamanho, salvo no caso das passagens do diário de Maryui onde a fonte cursiva é um pouco cansativa.



CONCLUSÃO: Apenas viva sem mim é um livro curtinho, mas tem bastante conteúdo e nos faz refletir sobre nossas vidas românticas, sobre como tratamos a pessoa amada e sobre o fato de a morte poder acontecer a qualquer momento e mudar tudo.

Fica entre o bom e o muito bom e por isso rendeu a nota 3,5 no Skoob

E você já leu esse livro? Então diga o que achou.
Se não leu, então nos diga se essa resenha o deixou curioso e por que.

Grande abraço a todos

Dan Folter!
Postar um comentário