sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Crônica - O tempo

Renato Russo, um desses sábios que nos deixou precocemente, também nos deixou com algumas sabedorias.
Ele disse: "temos todo o tempo do mundo", mas também dizia "não temos tempo a perder"

O tempo: Essa estranha medida em ciclos de sessenta que se tornam doze para só então tornarem-se decimais é responsável por nos dar a chance para depois tirar-nos a vida.

Quando infantes nos sobra, mas nos impedem de ser e de fazer: "Quando fores adulto, terás o direito"

Quando adolescentes nos parece infinito. Achamos-nos eternos, donos da verdade e do mundo.

Quando adultos nos falta. É tanto por fazer, tantas obrigações, tarefas e contas para pagar.

As coisas boas são medidas pelo tempo que duram:
- Uma viagem à Europa dura 15 dias
- Um beijo apaixonado dura entre 1 segundo e 1 minuto
- As férias são de 30 dias, mas podemos vender 10 para o diabo.
- Um filme dura cerca de 2 horas
- O injusto final de semana tem apenas 2 dias, mas muitos trabalham assim mesmo
- O tempo de duração de um orgasmo não pode ser medido pois estamos distraídos demais para contar...

Fato é que os adultos contam o tempo que falta para o final do expediente, para o final de semana, para a aposentadoria. Sempre dizemos tudo aquilo que faríamos se tempo tivéssemos.
Eis que então nos surge o tempo. Férias, desemprego, afastamento por doença e não fazemos um quinto do que havíamos planejado.

Reclamos que o tempo não passa, temos insônia, depressão, ansiedade até que voltamos a trabalhar e a reclamar da falta de tempo.

O ser humano realmente é como o burro que corre atrás de uma cenoura amarrada à frente da têmpora!

Obrigado pelo seu tempo!
Desculpe-me por tomar o seu tempo!

Dan Folter
Postar um comentário