segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Resenha - Poliana de Eleanor H. Porter

Hoje é dia de resenha no desinformados. Falaremos do livro Poliana, escrito pela escritora norte americana Eleanor H. Porter (D.E.P.) e cuja edição lida foi publicada no Brasil pela editora nova fronteira.


Sinopse:  Quando da morte de seu pai, Poliana, a menina de 11 anos, que já era órfã da mãe, vai morar com sua tia Paulina, uma solteira rica, severa e pouco afetuosa. Mas a vida da pequena cidade de Beldingsville vai mudar com a chegada deste pequeno anjo, que se tornou a própria personificação do otimismo na literatura ocidental. Poliana nunca deixa de praticar, o seu jogo preferido, que o pai lhe ensinou - O Jogo do Contente - na tentativa de sempre se posicionar de maneira positiva em situações ruins, e tristes.


Capa:


Antes de reclamar que a capa é feia ou simplória, quero fazer uma observação interessante sobre o livro. Resolvi comprar um para dar de presente para uma afilhada, mas também tenho um afilhado e queríamos dar a ele o mesmo presente. Algumas capas com a foto de uma menina ou detalhes muito femininos acabam afastando a obra dos meninos, (é preconceito, eu sei), mas essa capa fez o serviço sem criar problemas.

Resenha: Um livro que deveria ser trabalhado em escolas devido à sua universalidade. Os fatos tratados aqui continuam relevantes após um centenário de seu lançamento. A linguagem simples e o tamanho diminuto de páginas é um ótimo iniciador à leitura para crianças.
Mas vamos à opinião de um adulto que se aproxima dos 40...

Bem melhor que a encomenda: A maioria das opiniões por mim ouvidas anteriormente classificava Poliana como "livro de menininha" e isso me fazia imaginar que explorava temas puramente femininos. Não seria um fator de impedimento, embora o termo usado me passasse a ideia de superficialidade.
Ao me deparar com a leitura, fui rapidamente envolvido pela trama e pelas situações propostas pela autora. A menina Poliana é muito mais do que uma criança e seu joguinho inocente, ela é uma transformadora de vidas.

A história: Poliana é uma órfã que, adotada por uma tia rica, imagina que terá uma vida maravilhosa pela frente. O que ela não contava é que a tia fosse uma pessoa amargurada e distante, que, se não a maltrata, também não faz muito para ajudar.
Aos poucos, a menina faz amizade com vizinhos e os criados da casa, vários deles pessoas com problemas que a menina ajuda a serem encarados de forma mais positiva, assim como ela faz com a própria vida.

Fábula: A obra tem a clara missão de trazer otimismo. De mostrar como nos atemos a bens e valores, deixando de lado os prazeres simples da vida. Ao contrário do que pode parecer a mensagem não é passada de um jeito piegas e a autora consegue usar a história para passar sua mensagem e não o contrário.
Também não passou uma ideia (ruim) de conformismo. Em nenhum momento o livro nos manda deixar de lutar, mas encarar positivamente o que se conquistou.

Cisco nos olhos: É impossível não se envolver com a narrativa e não se colocar no lugar de algum dos personagens e seus sofrimentos. Como lia ao ar livre, em certas horas o vento trouxe alguns ciscos intrometidos para os olhos. (Se disserem que derrubei algumas lágrimas, nego até a morte, hehehe).

Avaliação: É um daqueles livros que todo ser humano deveria ler pelo menos uma vez na vida. Me lembrou um pouco de "O pequeno príncipe" por ter encontrado ideias em comum.
Ganha 5 estrelas no Skoob com louvor.
Postar um comentário