sábado, 27 de agosto de 2016

Resenha - O cão dos Baskervilles - Arthur Conan Doyle


Se você leu minhas últimas resenhas sobre os contos de Sherlock Homes, então se lembra que fiz algumas reclamações pontuais aqui e ali. Se você ainda não leu, pode ler aqui:
http://desinformadoss.blogspot.com.br/2016/08/resenha-memorias-de-sherlock-holmes-por.html
http://desinformadoss.blogspot.com.br/2016/08/resenha-volta-de-sherlock-holmes-por.html

Claro que toda a obra é muito boa e vale a pena, porém ao lê-la, descobri que sou muito mais fã de romances do que contos. Me explico: Contos são rápidos e detalhes precisam ser omitidos em favor do andamento da história, dos acontecimentos.
Já o romance tem mais espaço para descrições, detalhes e aprofundamentos, algo que me apetece mais.

Toda essa explicação é para justificar as 5 estrelas que dei para esse clássico da literatura, considerado por muitos o melhor da carreira de Sir Arthur Conan Doyle. E talvez seja mesmo.

SinopseUma das mais famosas histórias do detetive Sherlock Holmes. A morte do rico proprietário Charles Baskerville está envolvida em um mistério que envolve uma antiga maldição de família, uma grande herança e um enorme cão fantasmagórico. Holmes e seu assistente Watson são chamados para investigar.

Capa:



Resenha: A versão por mim lida faz parte de um compilado com todas as histórias do detetive, mas separo aqui para facilitar a resenha. É um romance curto, com todas as características esperadas. Há um crime inicial, um assassinato e o maior detetive do mundo é chamado para investigar. Há um elemento pouco usado por Conan Doyle em sua obra que é o fantástico. O morto, assim como gerações de sua família estaria sendo assombrado por um cão demoníaco.

Perfeito: Para quem gosta de mistérios, o cão dos Baskervilles é um prato cheio. A história é cheia de elementos e personagens, aparentemente desconectados e só a mente brilhante de Sherlock Holmes é capaz de montar o quebra-cabeças.

Estrutura e técnica: Uma aula para quem pretende escrever mistérios. Conan Doyle usa o recurso do narrador testemunha com a visão de Watson sobre os atos de Holmes, embora nessa obra o melhor amigo do detetive acabe atuando como um protagonista, com Holmes fazendo uma investigação à distância.

Avaliação: 5 estrelas, é claro. Um clássico daqueles que você termina e não consegue achar uma pontinha solta, e ainda se divertiu muito tentando adivinhar o final. Leia!

Postar um comentário